MEU BLOG

Efeitos da microbiota intestinal no Sistema Gastrointestinal e Sistema Nervoso




A relação entre o cérebro e o intestino tem ganhado atenção nos últimos tempos; sabe-se que esta relação começa durante o desenvolvimento e persiste ao longo da vida. Atualmente, um corpo de literatura significativo e crescente apoia as ações dos microrganismos gastrointestinais para modular a sinalização do intestino-cérebro.

Assim, esta publicação visa ajudar você a entender melhor o que é atualmente conhecido sobre a fisiologia do eixo cérebro-intestino na saúde e na doença e como esses conceitos aplica-se à síndrome do intestino irritável (SII), assim como uma possível relação com condições psicológicas.

A comunicação entre o sistema nervoso entérico (SNE) e o sistema nervoso central (SNC, cérebro e medula espinhal) é bidirecional e contínua. O intestino e o cérebro se comunicam através do sistema nervoso parassimpático através de vias sensoriais aferentes do nervo vago. O eixo cérebro-intestino também é modulado pela microbiota entérica, ou seja, os micro organismos que vivem no nosso intestino.

A microbiota pode modular o SNC diretamente através do nervo vago e/ou indiretamente influenciar o SNE  e pela produção de metabólitos (produto do metabolismo de uma determinada molécula ou substância) que atravessam a barreira hematoencefálica ( que protege o encéfalo).  A serotonina (5-HT) é um dos elementos importantes para a comunicação cérebro-intestino, tanto como um neurotransmissor do SNE quanto SNC; bem como um hormônio presente em toda a circulação.


O EIXO CÉREBRO-INTESTINO É MODULADO EM PARTE PELA MICROBIOTA


Os mais de 1 bilhão de organismos que habitam o intestino influenciam o SNE humano e desenvolvimento e funções do SNC, incluindo motilidade, humor, cognição e esta população microbiana comunica-se diretamente com o SNC e SNE via do nervo vago, e/ou pela produção de metabólitos ativos que influencie diretamente a função entérica. A microbiota também pode atuar indiretamente no SNC pela produção de metabólitos que são transportados no sangue e atravessam a barreira cerebral. Assim a manipulação microbiana entérica pode ser uma nova maneira de estabelecer o neurodesenvolvimento ideal.

Evidências sustentam a ideia de que o microbioma inicial de um lactente é influenciado por sua mãe ao longo dos períodos perinatal e de amamentação e que é esta inicial inoculação e subsequente desenvolvimento no início da vida que é crucial para o desenvolvimento saudável do neurodesenvolvimento. O início da simbiose durante a adolescência também parece ser um passo crucial para o desenvolvimento do cérebro ideal e saúde mental a longo prazo.


SEROTONINA COMO UM MODULADOR CRÍTICO DO EIXO DO CÉREBRO-INTESTINO-MICROBIOMA


Existem evidências significativas que sugerem que a serotonina pode ser um elo importante no eixo cérebro-intestino. A serotonina e seu inativador primário, o transportador de recaptação de serotonina, estão presentes no SNC e no SNE, onde são mediadores críticos de desenvolvimento e função. Durante o desenvolvimento do SNC, a serotonina é desempenha papéis críticos na divisão celular, migração e diferenciação. As funções do SNC moduladas pela serotonina incluem humor (por exemplo, depressão e ansiedade) e cognição.

Apesar dos seus papéis críticos no desenvolvimento e funcionamento do SNC, apenas cerca de 3% da serotonina do corpo está localizada no SNC. A grande maioria da serotonina (aproximadamente 95%) é encontrada no intestino, onde é uma molécula de sinalização multifuncional durante o feto e durante toda a vida adulta.

Há também uma interação entre a serotonina e o microbioma entérico o que pode estar ligado com o fato de que aproximadamente 90% da serotonina encontrada no intestino está presente no epilétio. Bactérias entéricas e produtos bacterianos, tais como bactérias nativas formadoras de esporos e ácidos graxos de cadeia, demonstraram modular a produção de serotonina.


O EIXO CÉREBRO-INTESTINO NA DOENÇA CLÍNICA: SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL(SII)


O diagnóstico de SII fundamenta-se em critérios baseados em sintomas e é classificado como SII predominante em constipação e/ou SII com predominância de diarreia. Embora os indivíduos sejam diagnosticados de acordo com a dor abdominal e os padrões intestinais, até 50% dos indivíduos também apresentam transtornos de humor, ansiedade e/ou somatoformes. Além disso, é esse subconjunto de indivíduos que frequentemente tem um pior prognóstico.

Pouco se sabe sobre como e quando a disfunção do cérebro-intestino se origina na SII.  Para muitas dores abdominais o inicio é na infância e refletem comportamentos de doenças aprendidas. Outras instâncias da infância são desencadeadas por precipitantes baseados no SNC, como trauma, estresse, abuso ou negligência materna.  Em um estudo separado, pacientes com SII com histórico de abuso relataram aumento da dor e ansiedade com distensão retal.

A serotonina modula todas as funções gastrointestinais implicadas na patologia da SII, incluindo motilidade, secreção e hipersensibilidade visceral. Além disso, alterações na sinalização da mucosa entérica e da serotonina no sangue foram demonstrados em crianças com SII.

Os agonistas de 5-HT4 Serotonina mais recentemente desenvolvidos (por exemplo, prucaloprida, velusetrag) demonstram maior especificidade gastrointestinais e são bem sucedidos no tratamento de sintomas em SII com predomínio da constipação, sem evidência de injúria cardíaca, sendo sugeridos como alvo eficaz para depressão.


EIXO CÉREBRO-INTESTINO-MICROBIOMA: PAPEL DOS PROBIÓTICOS,  DIETA E TERAPIAS


O desequilíbrio microbiano entérico tem sido sugerido como subjacente à fisiopatologia SII e comorbidades psiquiátricas. A manipulação microbiana foi tentada pelo uso de probióticos, antibióticos e os oligossacarídeos de baixa fermentação, dissacarídeos, dieta de monossacarídeos.

Espécies bacterianas que demonstraram melhorar a gravidade dos sintomas em adultos e crianças com SII incluem cepas de Bifidobacterium e/ou Lactobacillus . Os probióticos podem afetar as vias da dor influenciando a sinalização cerebral; Bifidobacterium longum demonstrou reduzir os sintomas depressivos em adultos com SII enquanto diminui respostas a estímulos emocionais negativos em cérebro associado à áreas SII.

Terapias psicológicas foram mais eficazes do que os tratamentos controle (placebo, terapia de suporte, “manejo usual” do médico para aliviar a dor abdominal crônica em adultos e crianças, com os resultados mais benéficos relatados para terapia comportamental cognitiva, hipnoterapia, terapia multicomponente e psicoterapia dinâmica. Terapia cognitivo-comportamental, hipnoterapia e imaginação guiada também são benéficas na diminuição dos sintomas gastrointestinais e psiquiátricos na SII pediátrica.


Referências Bibliográficas:


KHLEVNER, J.; PARK, Y.; MARGOLIS, K. G. Brain-Gut-Axis: Clinical Implications. Gastroenterol Clin N Am, 2018. Disponível em: < https://doi.org/10.1016/j.gtc.2018.07.002 >

18 visualizações

Departamento de Ciências da Saúde

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn